Mamoplastia e cirurgias mamárias

Design sem nome (8)

Cirurgias – Quais cuidados devo ter?

Meu primeiro parágrafo nesse texto será explicar a razão deste tema. Como fisioterapeuta e profissional de educação física,nos deparamos no nosso dia dia, na sua maioria mulheres e também alguns homens que realizaram cirurgias mamárias.

Portanto  fica clara a razão desta matéria ,pois tentarei elucidar o que é cirurgia mamária ,qual a finalidade, como são classificadas os diferentes grupos de alteração das mamas, de um modo sucinto citar  as diferenças diferentes técnicas cirúrgicas e assim poder ajudar os profissionais da equipe inter-disciplinar a atuar com segurança e o leitor que se submeteu a essa cirurgia ter informações do que um profissional pode fazer para ajudar ou aflorar um efeito colateral indesejado.

Quais cuidados devo tomar com as cirurgias?

Na minha experiência profissional esse tipo de cirurgia sempre fico atenta a algumas observações importantes :

  1. De modo algum, substitui as indicações clínicas, cuidados, indicações e domínio do médico cirurgião plástico ou cirurgião oncológico.
  2. Em qual fase pós cirúrgica está o/a paciente,isto é ha quantos dias das cirurgias
  3. Dentro de cada fase existem as indicações e contra indicações de atuação
  4. Se na fase de reparação e remodelagem, e formação da cicatrização observo se existe fibrose, queloide,aderência e edemas e o que a fisioterapia pode ajudar nessa fase
  5. Se for a cirurgia mamária oncológica, mastectomia radical, parcial ,com colocação de próteses ou não, observo os linfonodos axilares, clavículares , externais, além de verificar se há inchaço, edema e se é possível realizar a drenagem linfática, hematoma, infecção ou necrose cutânea devem ser observadas.

As cirurgias plásticas mamárias para muitas mulheres tem como  objetivo buscar a correção e melhorar a aparência das mamas dentro da sua anatomia buscando alternativas de disponíveis destinados a melhorar aparência do seios.

A cirurgia conservadora da mama tornou-se, a partir da segunda metade do século XX a terapêutica cirúrgica de eleição para os estádios iniciais da doença de câncer de mama com objetivo de realizar a excisão do tumor com margens consideradas adequadas e ao mesmo tempo manter a forma natural e aparência da mama o que em grande parte dos casos pode ser difícil e desafiante.

Muitos estudos comparararam a eficácia e segurança da cirurgia conservadora da mama seguida de radioterapia com a mastectomia com resultados equivalentes na sobrevivência global e intervalo livre de doença.

Atualmente são conhecidas cirurgias oncoplasticas da mama que são cirurgia de remoção oncologicas associadas a técnicas de cirurgia plástica reconstrutiva. Assim,este último tipo de cirurgia está associada a uma grande variabilidade de técnicas com múltiplos dificuldades na sua aplicação e aprendizagem.

A mamoplastia de aumento é uma cirurgia plástica onde é introduzida a implantes de silicone nas mamas. Está cirurgia é a mais conhecida sendo a primeira opção das mulheres que procuram por esse tipo de procedimento.

 A técnica se baseia em implantar e restaurar o volume perdido das mamas devido à gravidez, perda de peso outros fatores. Alem  disso o procedimento passe possibilita uma maior firmeza das mamas.

A mastopexia, também conhecida como lifting de mama é o procedimento de levantar o seios realizando um reposicionamento das mamas.

Quando necessário ocorre a retirada de excesso de pele das mamas, um problema que atinge muitas mulheres e pode ser causado por genética, envelhecimento, amamentação e oscilação de peso.

Em geral a mastopexianão altera o tamanho do seio, daí sua diferença com a mamoplastia.

As alterações da mama estão divididas em quatro grupos:

  • Grupo I:Representa 13% das alterações o volume normal a partir da glândula mamária, está abaixo do sulco submamário, essa variação é chamada de ptose mamária. A base e altura das mamas são normais.
  • Grupo II: Representa 2% das alterações, a mama tem base larga demais de uma altura normal,o volume é maior do que o ideal é está contido na base. Esta mama tem uma menor tendência a ptose por ser menos projetada.
  • Grupo III: Representa 2% das alterações. As alterações estéticas da mama são devido altura excessiva do cone. O diâmetro da base é normal e o volume aumentado está contido na altura. Por que é projeção anterior posterior exagerada esta as mamas tem a tendência ptose maior e mais precoce.
  • Grupo IV: representa 83% das alterações. O diâmetro da base excessivo bem como altura exagerada. O volume aumentado e o seu excesso está distribuído na base e altura da mama com grande tendência a ptose.

Classificação das técnicas de remodelação de volume:

As diversas denominações cirúrgicas nas mamoplastias decorrem do formato e localização das incisões cirúrgicas dentre as mais comuns pode citar T investido,Y invertido,L, periareolar,implante de próteses e próteses.

Outras abordagens da mamoplastia são mamoplastia redutora,correção de deformidade mamárias, reconstrução mamária em caso de mastectomia, reconstrução do peito com dobra contra lateral do reto abdominal.

No pós-operatório as recomendações tanto para a mastopexia quanto para mamoplastia de aumento incluem:

  • não movimentar os braços excessivamente e carregar peso
  • Não levantar os cotovelos até acima dos ombros nos primeiros sete dias
  • Não deitar-se de bruços com os primeiros dois meses
  • Usar o sutiã modelador durante um mês
  • Manter a área operada limpa e seca sem mexer nas fitas de micropore 
  • Não fazer atividades físicas que demandem esforço da região operada por no mínimo três meses
  • Evitar a exposição ao sol nesse período.

A fisioterapia pode atuar na fase pré operatória e pós operatória.

Fase pré operatória visa uma recuperação cirúrgica mais rápida e eficiente e funcional.

Algumas orientações são importantes pós cirgurgias:

  1. usar alça larga de sutiã
  2. Checar a posição adotada pela mama grande e realizar a reeducação postural
  3. Realizar orientações quanto um programa de atividade física com alongamentos, reforço muscular para coluna 
  4. Treinar ou ensinar exercícios respiratórios
  5. Realizar a massa terapia principalmente a drenagem linfática
  6. A eletroterapia é um recurso da fisioterapia importante para aumentar o metabolismo basal e fortalecer a musculatura

Na fase pós operatória imediata:

  1. Praticar os exercícios respiratórios aprendidos
  2. Tomar cuidado com os drenos próximos a região axilar por no mínimo 24hpodendo alguns casos permanecer até 72 horas
  3. Recursos analgésicos da fisioterapia, como TENS e crioterapia podendo associar estas duas simultaneamente

Na fase pós operatória tardia

  1. Após 48 a 72 horas pode ser iniciar a drenagem linfática
  2. Ultrasom em região edemaciado com hematoma pode ser utilizado
  3. Massagem para tecido cicatricial evitando aderências 
  4. Exercícios respiratórios

A trombose venosa profunda é uma das complicações que devem ser observadas pelo fisioterapeuta. É muito importante em todas as fases operatórios respeitar as orientações do médico e tomadas de decisão da equipe interdisciplinar.

Referências bibliográficas

GUIRRO,  E. et al Fisioterapua Dermato funcional 3a Ed. São Paulo: Manole, 2002.

LEAL DE FARIA, VIANA LOPES, P. Cirugia oncoplastica da mama: passado, presente e futuro. Rev. Port. Cir. (on line). 2013,n.27, pó.85-94.

Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.

https://clinicapatentr.com.br/blog/qual-e-diferenca-entre-mastipexia-e-mamoplastia-de-aumento/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.